Conversa entre amigos

A Maria e o novo amigo alienígena Alberto estão a arranjar a nave ultrassónica que há uma semana aterrou de emergência na ventosa Aldeia do Vento, no planeta Terra.

— Terminei agora!

— A Maria tem jeito para a mecânica cósmica.

— Não sobraram peças …

— Tenho de fazer algo e rapidinho. A 111-RTX está capaz de descolar.

— Falta apenas compor o exterior da nave… Onde estarão as portas?

— Boa! Sem portas não posso partir! Sem portas não há adeus!

— Só vejo pilhas de tralha ao meu redor.

— Ficarei nesta aldeia 12 meses galácticos.

— Como se eu tivesse capacidades divinatórias…

— Por mil Girabolexes, Maria, estás a ficar roxa!

— Roxo ficas tu quando eu te apanhar!

— Que linda brincadeira, Maria: um alienígena a fugir de uma criança terráquea!

— Eu dou-te a brincadeira! Fica sabendo que o teu verde está a empalidecer e as tuas antenas a cair.

— Está a esgotar-se o meu tempo na Terra…mas eu não quero ir embora!

— Mas tu és um adulto, não fazes birras. E podes visitar a Aldeia do Vento sempre que quiseres. Com a força das tuas antenas, nunca voarás.

— Poderia viver aqui, numa das casas desabitadas…não sou de luxos.

— Alberto, nem luxos, nem lixos. A tua família espera-te!

— Bzz. Zyrx. Ai!

— Então, Alberto?

— Este é o som da inevitabilidade… É o som da minha morte! — responde Alberto, recordando Leo no filme Matrix, rodado em Girabolas, o seu planeta.

— Calma, Alberto! És muito pessimista. Vamos acabar o arranjo da tua nave. Onde estão as portas que escondeste? — quis saber a Maria, angustiada por ver a estranha fraqueza do amigo. Alberto indicou-lhe o lugar, envergonhado como uma criança apanhada em flagrante delito.

— Ajuda aqui. Encontrei-as, mas são demasiado pesadas para mim.

Alberto fez um derradeiro esforço, dirigindo um raio de luz das portas para a nave.

— Boa, querido amigo! Agora temos que te pôr lá dentro e programar a viagem para que não te percas no espaço cósmico. Vamos! Só mais uma magia!

Alberto sabia que não havia solução, tinha ido longe demais e o espaço não se encontrava a seu favor. Estava no meio do caminho, num intermédio frágil entre a vida e um longo sono.

— Mas, o que é aquilo? — perguntou a Maria ao ver uma bola de luz roxa e branca aproximar-se da Terra — Parece…outra nave espacial?! Alberto, acho que vem ajudar-te… — e uma manga de luz apanhou o alienígena, teletransportando-o para o seu interior.

— Boa viagem, querido amigo, boa viagem! — disse a Maria, acenando sem saber muito bem se havia de se sentir feliz ou triste e era uma lágrima frágil a que o vento roubava do seu rosto de criança.

Picture of Andreia Galhardo

Andreia Galhardo

Texto Vencedor
Partilhar
CLUBE DOS WRITERS

Estes são os textos vencedores do desafio de escrita criativa mensal do CLUBE DOS WRITERS

Mais artigos:

Vírgulas. Como Utilizar?

Preencha o formulário e receba grátis este esta ferramenta bastante útil.