Árvore de Natal

No centro da praça mais antiga da vila, uma árvore tomara a forma de um gigantesco guardião do Natal. Enquanto muitos admiravam as suas luzes cintilantes, Paulo notou uma sombra projetada por ela, apontando para norte. Parecia mágica, movia-se! Seria ele apenas a vê-la? Seguiu-a.

Passou por casas iluminadas e prendas flutuando com as pessoas que enchiam as ruas. Cores mornas e aveludadas enchiam-lhe os sentidos. Seria isso o espírito do Natal? A sombra virou uma esquina. Seguiu-a.

Viu sem-abrigo tiritando de frio, um cão faminto. Ouviu o choro de uma criança. Sentiu uma tristeza cortante. Então, algo peculiar aconteceu. A sombra desapareceu e chegou um grupo de pessoas. Entoavam cânticos de Natal. Uns aproximaram-se dos sem-abrigo; outros bateram às portas, oferecendo o calor das suas palavras e a bênção da sua ajuda.

Paulo sentiu que a magia 𝗱𝗮 á𝗿𝘃𝗼𝗿𝗲 𝗳𝗼𝗿𝗮 𝗮𝗳𝗶𝗻𝗮𝗹 𝘂𝗺𝗮 𝘀𝗼𝗺𝗯𝗿𝗮 𝘀𝗼𝗯𝗿𝗲 o genuíno espírito do Natal.

Picture of Teresa Dangerfield

Teresa Dangerfield

Texto Vencedor
Partilhar
CLUBE DOS WRITERS

Estes são os textos vencedores do desafio de escrita criativa mensal do CLUBE DOS WRITERS

Mais artigos:

Vírgulas. Como Utilizar?

Preencha o formulário e receba grátis este esta ferramenta bastante útil.