Corações Apagados

Corações Apagados

O correio apenas chegava ao quartel uma vez por semana. Para proteger o saco de lona grossa e verde, era exigido que fosse escoltado por viatura militar com seis mancebos armados, afastando assim o perigo de assalto inimigo, em busca de segredos e estratégias bélicas.

Do cimo das escadas desgastadas pelas subidas e descidas de enlameadas botas, o cabo amanuense grita para a multidão, ansiosa por ouvir o seu nome:

—Soldado Santos!

O nomeado fura a turba impaciente. Agarra a pequena carta azul-bebé, dobrada em envelope. Acha estranho não ver corações vermelhos desenhados nas abas laterais e frontais. Um pressentimento ruim aperta-lhe o peito, enquanto se senta debaixo do alpendre escuro e triste da caserna. Lê lentamente uma frase, seca e apunhalante:

—Manel, não aguento esperar mais dezoito meses. Conheci outro homem.

O Santos corre dali à cantina, para beber a primeira das milhares de cervejas que se seguiriam.

Picture of José Mendes

José Mendes

Texto Vencedor
Partilhar
CLUBE DOS WRITERS

Estes são os textos vencedores do desafio de escrita criativa mensal do CLUBE DOS WRITERS

Mais artigos:

Vírgulas. Como Utilizar?

Preencha o formulário e receba grátis este esta ferramenta bastante útil.