Cumplicidade

Vidas. Caminhos. Encontros e desencontros. Procuro-me, procuro-te. Sinto o vazio do teu abraço. Existo, sim. Mas nós dois podemos ser um. Um em cumplicidade. Do meu peito ecoam sons que só tu conheces. Escutas ou não? Recordas-te?

 

Nem te via porque o mundo te tapava. Ora eu voava, ora tu. Ora eu ficava, ora tu. O tempo jamais parou. Nem para mim, nem para ti e nem, mesmo, para ninguém. Morria e renascia. E não te encontrava. E tu? Renascias e morrias sem me esperares.

 

Tempo! Tempo que não para. Vida que é eterna.

 

Na minha loucura, tropecei. Talvez tenha tropeçado em ti e passei sempre. Talvez não. Estarias em todo o lado? O que nos faltou? Onde a pupila dos teus olhos? Só olhar é pouco. Espreitar a alma. Mergulhar.

 

Fui cobra que rastejou em penas. Fui caranguejo que a correr para trás fugia. E tu? Galopaste, eu sei. Não sei.

 

Foste rio em que eu me banhei. Foste vento por onde voei. Alma penada. Caída e levantada.

 

Quem perdia quem?

 

Sinto-me inquieta. Procuro-te. Sei que me procuras também. Ouço o teu eco. O som dos teus passos. Dizem que há almas gémeas. Se as há, andam descompassadamente desencontradas. Foi ao virar da esquina. O teu cheiro. 

O teu toque. Nem o corpo novo que trazias deixava-me confusa. Eras tu. De certeza. Toca-me. Repara que ao teu peso eu serei sempre o contrapeso. Sou eu. És tu. A minha metade. A tua metade.

Picture of Manuela Vieira

Manuela Vieira

Texto Vencedor
Partilhar
CLUBE DOS WRITERS

Estes são os textos vencedores do desafio de escrita criativa mensal do CLUBE DOS WRITERS

Mais artigos:

Vírgulas. Como Utilizar?

Preencha o formulário e receba grátis este esta ferramenta bastante útil.