A mesma luz

a mesma luz

A luz era forte. Ofuscante. Chamava-me. Segui-a. Conforme avançava, mais intensa era. Senti-me banhada por ela, protegida. Passava por um corredor estreito, ladeado de cristais brancos, verdes, azuis e rosa. A vibração era indescritível: tanta paz. Cheguei a uma porta. Abri-a. A luz quedou-se, como se não quisesse continuar. Seria um aviso? Sem pensar, peguei num cristal que vi no chão. Acendeu-se-me na mão, qual lanterna. Continuei a caminhar. Notei que o cristal projetava nas paredes, que lembravam o mar, e no teto, que parecia o céu, formas semelhantes a setas, algumas em direções opostas. Cada vez que dava um só passo, apareciam mais caminhos. Pousei o cristal no chão. Começou a girar, até apontar para onde o encontrara. Estaria a dizer-me para voltar para trás? Não quis ceder, cheia de valentia. Segui em frente. Sem o cristal, a luz diminuía a olhos vistos. Dei comigo na escuridão a tatear as paredes, que me faziam escorregar as mãos como se as envolvessem em ondas. Cheguei junto ao que sentia ser uma porta. Abri-a, sem esforço. Estaria a sonhar? Voltara ao lugar de partida. A mesma luz. Afinal, deveria ter escolhido outro caminho? Talvez não fosse mesmo possível, quem sabe…

Picture of Teresa Dangerfield
Teresa Dangerfield
Texto Vencedor
Partilhar
CLUBE DOS WRITERS

Estes são os textos vencedores do desafio de escrita criativa mensal do CLUBE DOS WRITERS

Mais artigos:

Vírgulas. Como Utilizar?

Preencha o formulário e receba grátis este esta ferramenta bastante útil.