Viver sem reticências

Os sinais de pontuação são como as pessoas que conhecemos.

Ponto de exclamação, ponto de interrogação, dois pontos, vírgula, ponto e vírgula, travessão, parênteses, aspas, ponto final, reticências, estão nas nossas frases, nas nossas vidas, fazem tanto por nós, mas raramente refletimos sobre a sua relevância.

Cada sinal de pontuação, no seu devido lugar, ajuda-nos a ler, a entoar o texto quando o lemos em voz alta, a compreender a intenção de quem nos presenteou com aquela combinação única de palavras.

A pontuação ajuda a escrever: o esforço de pontuar corretamente um texto obriga-nos a pensar na divisão entre parágrafos, na estrutura da frase e em como dizer melhor o que queremos. Serve também para dar voz ao texto. Quando escrevemos criamos uma voz e um estilo próprio — a nossa voz literária.

Contudo, mais do que isso, a pontuação é como a vida, os sinais de pontuação são como as pessoas que conhecemos.

Há pessoas que são verdadeiras interrogações, por mais que o tempo passe, não as conseguimos compreender ou então interpretamos tudo errado, e nada ali existe para entender.

Depois, há aquelas que nos espantam, alegram com a sua força e sorriso, mesmo quando a vida menos lhe sorri. Algumas colocam-nos em sentido. São os pontos de exclamação e, tal como acontece nos textos, devem surgir de modo equilibrado.

Os indivíduos «dois pontos» esclarecem-nos, falam connosco, mas nem sempre gostamos do que têm para nos dizer.

O que dizer em relação à vírgula, este útil e complexo sinal? Olho para o mundo e vejo muitas pessoas «vírgula», a acrescentar algo quando faz falta (ou não) e, tantas vezes, a alterar a estrutura fundamental da frase, da vida. Tal como as pessoas, há usos de vírgulas proibidos e obrigatórios. Há pessoas a evitar e pessoas indispensáveis; há que abrir a porta às que nos elevam e apagar as que nos poluem.

O ponto e vírgula é versátil, útil, mas também pode corresponder a alguém demasiado palavroso que diz mais do que o necessário. Quem não conhece pessoas assim?

Gosto do travessão, dos parênteses, das aspas, tal como gosto das pessoas que surpreendem, que dão sal à nossa existência, como aquela citação entre aspas que remata uma ideia.

As pessoas «ponto final» são as definitivas, como os filhos, os amores, a família, os amigos que escolhemos e nos acompanham, às quais ficamos ligados.

Deixei propositadamente para o fim as reticências.

Às pessoas «reticências» falta-lhes a coragem, vivem na expetativa do que podia ter sido e não foi. Pessoas incompletas, que se alimentam de estados emocionais, vítimas da sua própria teia de hesitações. Devemos olhar com especial atenção para estas pessoas três pontinhos, perceber se as podemos cortar sem estragar a frase ou dar-lhes a hipótese de uma nova revisão.

Todos os sinais de pontuação são necessários, tal como as pessoas que passam por nós, mesmo as que não permanecem.

Há aquelas que inovam, quebram regras, vão mais longe, vivem sem reticências, dão outro rosto ao que é normal. Os loucos que acendem o farol. São poucos, mas marcantes. Na escrita, temos José Saramago.

E a sua vida: como é pontuada?

Partilhar
Analita Alves dos Santos

Analita Alves dos Santos

Ajuda pessoas a escrever com mais confiança e emoção e a descobrir o poder e o prazer da escrita.

Mais artigos: